Para onde vai o lixo? O lixeiro sou eu

Para onde vai o lixo? O lixeiro sou eu

É impossível pensar em meio-ambiente e desenvolvimento sustentável sem pensar em LIXO!
Uma mazela gigante do planeta que a cada dia se torna mais e mais incontrolável.
Culpa de quem?
No texto a seguir Amanda aborda a questão de forma coerente e verdadeira com foco nos grandes heróis e heroínas do lixo erroneamente chamados de “lixeiros”!
Boa leitura!

Lixeiro é você!
Por Tônia Amanda

É isso mesmo. Lixeiro é você. Sou eu. Somos todos nós, que produzimos lixo. Os trabalhadores que recolhem o seu, o meu, o nosso lixo são “coletores de lixo”, com muito orgulho e sem nenhuma vergonha. Aliás, se há alguém que deve ter vergonha de alguma coisa são todos aqueles que não têm um pingo de consideração com esses trabalhadores; que os tratam com indiferença e até desprezo; que jogam lixo nas ruas, praças, jardins, mesmo com a lixeira estando ao lado.
Na maioria das vezes, só nos damos conta da importância desses profissionais e de quanto eles nos fazem falta quando, por algum motivo, o nosso lixo vai ficando acumulado, dia após dia, na lixeira em frente de casa. Aí reclamamos do mal cheiro, dos animais incovenientes que começam a aparecer em busca de alimento fácil e, finalmente, nos desesperamos porque simplesmente não sabemos lidar com nossos próprios rejeitos. Afinal, estamos tão acostumados a colocar o lixo do lado de fora, fechar a porta e, algum tempo depois, como que por mágica, ver que ele desapareceu, que quando isso não acontece ficamos apavorados e sem saber o que fazer. Não é assim?

Você conhece os coletores de lixo do seu bairro? Sabe a que horas eles recolhem o seu lixo? se preocupa com eles? com a segurança deles? entrega os sacos em suas mãos? cumprimenta-os? agradece-os? oferece-lhes um copo de água?
Se você tem pelo menos uma dessas atitudes acima, está de parabéns. A maioria das pessoas, na verdade, simplesmente os ignora. Isso, quando não os humilha, tapando o nariz ao passar por eles. É verdade, o cheiro impregnado em suas roupas não é lá dos mais agradáveis. Mas, esse cheiro é parte proveniente do lixo que você produziu e que, graças a eles (e não à mágica), desaparecerão da frente de sua casa, todos os dias.
Pensando nos desafios que esses profissionais enfrentam diariamente (faça chuva ou faça sol), a Fundacentro produziu o vídeoUm novo olhar sobre os coletores de lixo”, em que apresenta uma abordagem psicossocial dos problemas mais comuns vividos pela categoria, ao mesmo tempo em que propõe uma reflexão sobre as nossas responsabilidades, enquanto geradores de lixo, para com a sociedade e com o meio ambiente. Assista ao vídeo e reflita: como anda sua relação com os coletores de lixo do seu bairro?

Na próxima vez em que você quebrar um copo, descartar uma lata de conserva aberta ou uma agulha ou lâmina de barbear no cesto de lixo, lembre-se de que os coletores não têm olhar de Raio-X. Embrulhe as partes perfurocortantes em jornais velhos, de forma que não possam machucar as pessoas que irão manipular seu lixo. E quando chegar o final do ano, nada de presentear os coletores com aquela garrafa de vinho que você ganhou da empresa. Por melhor que seja sua intenção, lembre-se que o álcool é uma droga (lícita) e que pode causar sérios problemas, especialmente para pessoas que já são dependentes. Quer fazer um agrado? seja-lhes grato o ano inteiro. Respeito e reconhecimento são coisas que esses profissionais merecem e não nos custa nada.
Para refletir:
Somos responsáveis por aquilo que fazemos, o que não fazemos e o que impedimos de ser feito.” (Albert Camus)

Participe! Dê sua opinião.
Grande abraço!


Tônia Amanda Paz dos Santos, paraense de Santarém, radicada atualmente no sul de Minas Gerais é formada em Hotelaria e Técnico em Segurança do Trabalho.
Em julho de 2012 também estará formada em Meio Ambiente, pelo IFCT.
Estes e outros assuntos são abordados em seu espaço Saúde, Segurança do Trabalho & Meio Ambiente.

Twitter: @amandita77

Imagens:
sxc.hu

Tomé Ferreira

Graduando em TECNOLOGIA EM MULTIMÍDIA DIGITAL pela UNISUL Iniciei minha carreira como “Desenhista” de prancheta. Arte-finalizava tudo manualmente também fazendo trabalhos esporádicos de Jornalismo Social. Fundei o Portal Duniverso em 2009 iniciando de vez minha saga pelo jornalismo o qual me apaixonei. Vida inteligente na WEB.

2 comentários em “Para onde vai o lixo? O lixeiro sou eu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.