Uma Reflexão Póstuma

Uma Reflexão Póstuma

Por Antônio de Oliveira

Dia 19 de novembro de 2014. Cerca de 20h30. Acabo de perder meu irmão, José. O telefonema, embora esperado, me deixou nocaute. Sensação de tirar os óculos e não enxergar, desligar o telefone e não mais ouvir sua voz. Pelo menos de viva voz, voz exterior. A voz interior, essa a gente ouve quando quer. Desconectar e perder o contato. Fechar o livro e encerrar a leitura. Deitar-se e não mais se levantar. Não acordar e dormir o sono eterno. Desaparecer o fotografado e ficar apenas a imagem. Ou melhor, várias imagens. De várias ocasiões congeladas no tempo, mas vivas no coração. Deixar de ver com os olhos da carne e passar a ver com os olhos da alma. Hora de voltar à origens. Tu és pó e ao pó te hás de tornar. O trem que chega é o mesmo trem da partida. E que trem, sô!…

trilhos-de-trem-estrada-de-ferro

Naquele tempo, sabedor da morte de seu amigo Lázaro, Jesus disse: Lázaro dorme. E Jesus sabia que Lázaro estava morto de fato. O sono é imagem da morte. Cemitério é um universo em coma. Mortos e vivos convivemos naturalmente: aqueles debaixo da terra, estes na superfície, na vida calma do interior e das fazendas, onde ainda se respira, ou no burburinho das cidades grandes, de ar condicionado. Uns preocupados com a qualidade de vida, outros entregues às drogas, ao crime, à corrupção, à espoliação do próximo, ao dinheiro como razão de viver. Uns vendo a vida passar, outros sentindo que o tempo não passa, e ainda outros, na azáfama por ar, terra e mar. Sem tempo para nada. Sem tempo para viver. Ah, feliz de quem tem a receita de viver. De bem viver. De bem conviver consigo mesmo e com os outros. De viver com fé que a fé não nos deixa “faiá”. Idas e vindas, chegadas e partidas. Cada um na sua. Até que a morte nos separa. Separa casais, pais e filhos, irmãos, avós e netos, e amigos. Inimigos também.

ressurreicao-de-lazaro-Jacapo-Tintoretto-1558

José se foi. A presença do Zé, Zezé, para os íntimos, permanece em mim. Mas naquela cabeceira da mesa tá faltando ele. Faltando um irmão…

[author] [author_image timthumb=’on’]https://www.duniverso.com.br/wp-content/uploads/2014/03/foto-antonio-oliveira.jpg[/author_image] [author_info]O professor Antônio de Oliveira, cronista fascinante, é Mestre em Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma, na Itália. Licenciado em Letras e em Estudos Sociais pela Universidade de Itaúna; em Pedagogia e em Filosofia pela Faculdade Dom Bosco de Filosofia, Ciências e Letras de São João del Rei. Estágio Pedagógico na França. Contato: antonioliveira2011@live.com[/author_info] [/author]

Imagens: 01 sxc.hu / 02 Ressurreicao de Lázaro de Jacapo Tintoretto em 1558

Tomé Ferreira

Graduando em TECNOLOGIA EM MULTIMÍDIA DIGITAL pela UNISUL Iniciei minha carreira como “Desenhista” de prancheta. Arte-finalizava tudo manualmente também fazendo trabalhos esporádicos de Jornalismo Social. Fundei o Portal Duniverso em 2009 iniciando de vez minha saga pelo jornalismo o qual me apaixonei. Vida inteligente na WEB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.