Fazer uma segunda graduação ou ir direto para uma pós?

Fazer uma segunda graduação ou ir direto para uma pós?

Confira as vantagens e desvantagens das duas modalidades

A questão prejudica mais estudantes do que você deve imaginar. Se você quer mudar de ares, ser um candidato mais bem preparado às vagas de emprego ou somente aprender algo novo, decidir entre uma segunda graduação ou uma pós não é sempre fácil. Embora não pareça existir uma resposta satisfatoriamente correta para todos que consideram a pergunta, isso não significa que uma resposta não existe.

Listamos algumas coisas para levar em conta quando chegar a hora de decidir entre outro curso de graduação ou avançar para uma pós:

A segunda graduação

Se você não pode ir para seu desejado curso de pós sem uma graduação em seu currículo, então você deve querer fazer o que o estudante Vitorino Nakayama, de São Paulo, planejou: uma outra faculdade. Ele, que concluiu o curso de Biologia em uma universidade australiana há alguns anos, planeja passar em um vestibular para ingressar no curso de Enfermagem em alguma instituição pública brasileira no ano que vem. Ele cogita ainda a possibilidade de ir estudar nos EUA.

Crédito: divulgação

“Eu acho que o mestrado em Biologia não seria a direção que eu queria para minha carreira”, explica. “Eu amo Biologia, mas e não acho que seria feliz com uma pós na área. Eu me vejo mais implicado nos cuidados médicos”, continua.

Nos EUA, nem todas as universidades permitem alguém fazer um segundo bacharelado: a Universidade de Stanford, por exemplo, não autoriza dois cursos na mesma área. Isso significa que você não pode cursar dois programas na área de Artes ou na de Ciências, mas uma de cada – e com permissão da reitoria.

Por outro lado, algumas universidades possuem grades rápidas para estudantes que já possuem um diploma universitário. No Brasil, as instituições de ensino superior passaram a oferecer diversos benefícios para os estudantes que querem cursar uma segunda formação, desde bolsas de estudo, tipos de financiamento e descontos automáticos.

Houve até uma tentativa de tornar a segunda graduação mais barata para o estudante com força de lei. De autoria do então deputado Dr. Talmir (PV-SP), ela previa um desconto de 20% no valor da matrícula e das mensalidades ao aluno que já tivesse um diploma anterior. O projeto de lei chegou a ser aprovado pela Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, mas foi arquivada dois anos depois sem passar pelo plenário.

Mesmo sem a lei, instituições oferecem descontos que variam de 20 a 30% e podem chegar, em alguns casos, até a metade do preço das mensalidades.

Nos EUA, ao contrário, não se espera o mesmo tipo de ajuda financeira para uma segunda graduação do que uma pós. De acordo com o relatório da US News & World Report, há poucas bolsas para alunos que se implicam em uma nova formação universitária no país e, além disso, eles não podem participar de competições acadêmicas em diversos níveis.

A pós-graduação

Se você quer mudar o caminho de sua carreira ou estudar algo novo, então uma pós-graduação talvez faça mais sentido. Eduardo Vasconcelos, que terminou o curso de Jornalismo em uma universidade privada brasileira, decidiu no último ano da graduação que ele queria atuar na área de Economia. Como a instituição em que estava matriculado não tinha o curso universitário, ele entrou na pergunta do início do texto: arrumar outro bacharelado ou ir para a pós?

Ele, no entanto, escolheu a pós na Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), em São Paulo. “Eu queria ser competitivo e eu esperava que um curso avançado poderia abrir mais portas para mim no mercado de trabalho”, diz. Ele acredita que uma segunda graduação seria mais difícil para ele pelas disciplinas básicas exigidas e pelos alunos mais jovens. “A pós me deu mais confiança na minha pesquisa e ferramentas mais avançadas”, completa.

Em muitos casos, você precisa ter uma graduação no currículo para ser aceito em um curso de pós. No Brasil, quase todos os programas de especialização exigem o diploma – que é obrigatório para mestrados e doutorados. No entanto, é possível assistir algumas aulas como aluno especial para completar o requerimento necessário.

Grande abraço!
Press Office

 

Tomé Ferreira

Graduando em TECNOLOGIA EM MULTIMÍDIA DIGITAL pela UNISUL Iniciei minha carreira como “Desenhista” de prancheta. Arte-finalizava tudo manualmente também fazendo trabalhos esporádicos de Jornalismo Social. Fundei o Portal Duniverso em 2009 iniciando de vez minha saga pelo jornalismo o qual me apaixonei. Vida inteligente na WEB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.