Quando Sete É Igual A Nove

Quando Sete É Igual A Nove

Por Antônio de Oliveira

Janeiro é mês dedicado a Jano, rei do Lácio, patrono dos começos e dos fins. Saturno, que é representado com uma foice, fora expulso do céu pelo próprio filho, Júpiter. Escolheu, então, o Lácio para morar e Jano lhe proporcionou sociedade no seu império. Agradecido, o deus Saturno dotou Jano de enorme perspicácia em relação ao presente, fazendo-o bifronte, isto é, passou a ter sempre diante dos olhos o passado e o futuro. Por isso, Jano é representado como um jovem com duas ou até mais faces. Ostenta uma chave na mão direita, pois foi ele quem inventou as portas e, na esquerda, um báculo para indicar o domínio que exercia sobre caminhos e estradas, entradas (janeiro) e saídas.

jano-rei-do-lacio

Numa Pompílio, segundo rei de Roma a. C., fez erguer, em Roma, no Foro Romano, o templo de Jano, que permanecia fechado quando a República vivia tempos de paz, o que somente aconteceu nove vezes em mil anos. “… del famoso Tempio di Giano, le cui porte si aprivano in tempo di guerra e si chiudevano in tempo di pace, ma di esso non resta la minima traccia”, como se lê no Guida d’Italia: Roma e dintorni). Numa também decidiu que, em vez de dez meses, o ano deveria ter doze meses. Introduziu, então, os meses de janeiro e fevereiro, no início do ano, razão pela qual setembro é o nono mês, outubro o décimo, novembro o décimo-primeiro, e dezembro o duodécimo. Desde o século XVI que o 1.º de janeiro foi adotado universalmente como o primeiro dia do ano.

Fevereiro, em homenagem à deusa Februa, março, a Marte, abril à deusa Aprilis, maio à deusa Maia, filha do gigante Atlas, junho à deusa Juno, esposa de Júpiter, julho a Júlio César, agosto a Augusto. Os demais conservam as denominações primitivas e significam o 7.º (setembro), o 8.º (outubro), o 9.º (novembro) e o 10.º (dezembro) mês, reminiscência do calendário dos antigos romanos, de dez meses.

Nascemos mergulhados nas águas da história: ponto de referência da humanidade.

[author] [author_image timthumb=’on’]https://www.duniverso.com.br/wp-content/uploads/2014/03/foto-antonio-oliveira.jpg[/author_image] [author_info]O professor Antônio de Oliveira, cronista fascinante, é Mestre em Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma, na Itália. Licenciado em Letras e em Estudos Sociais pela Universidade de Itaúna; em Pedagogia e em Filosofia pela Faculdade Dom Bosco de Filosofia, Ciências e Letras de São João del Rei. Estágio Pedagógico na França. Contato: antonioliveira2011@live.com[/author_info] [/author]

Imagem: wikipedia

Tomé Ferreira

Graduando em TECNOLOGIA EM MULTIMÍDIA DIGITAL pela UNISUL Iniciei minha carreira como “Desenhista” de prancheta. Arte-finalizava tudo manualmente também fazendo trabalhos esporádicos de Jornalismo Social. Fundei o Portal Duniverso em 2009 iniciando de vez minha saga pelo jornalismo o qual me apaixonei. Vida inteligente na WEB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.