Anel Mágico

Anel Mágico

Por Antônio de Oliveira

O pastor Giges servia ao soberano da Lídia, Candaules. Certa vez, Giges ficou exposto a uma forte tempestade seguida de terremoto, ocasião em que o solo se rasgou e fez surgir uma fenda no pasto onde ele apascentava o rebanho. Ao contemplar os destroços causados pelo tremor de terra, viu um cavalo de bronze, oco e, dentro, um cadáver, com um anel de ouro na mão. Estando, depois, reunido com os companheiros para prestar contas ao rei e de posse do anel, que havia surrupiado, descontraidamente gira o engaste do anel para dentro. Num passe de mágica, Giges se torna invisível. Admirado, passa de novo a mão pelo anel, e gira-o para fora. E se torna visível. Senhor do anel e dono da situação, consegue chegar a primeiro-ministro, seduz a mulher do soberano e, com o auxílio dela, mata o rei e toma o poder. Foi o fundador da dinastia dos Mermnades, século VII a. C.

rei-Candaules-da-Lidia-mostra-esposa-a-Giges

Pode ser mais lenda que realidade, mas, na verdade, o mito e suas lições às vezes prevalecem aos fatos. Trata-se de uma alegoria, que consta, inclusive, d’A República de Platão, cuja moral da história resulta de um diálogo em que Glauco, irmão de Platão, apresenta um argumento em favor da injustiça. Em resumo, para Glauco, se uma pessoa com o poder de cometer um delito não o fizesse seria tola, idiota, uma vez que seus atos não estariam sendo flagrados. Aliás, isso é o que mais funciona. Justamente o oposto de transparência, ficha limpa.

Programa-anti-corrupçao-Etiopia-2000-

Giges descobriu que a invisibilidade o habilitava a praticar a corrupção sem ser punido. No Brasil, os políticos não carecem de invisibilidade, pois já dispõem de imunidade e impunidade. Quanto ao poderoso anel mágico, esse gira nos dedos de competentes e pouco éticos advogados mancomunados com o poder. Anel que sela a impunidade dos grandes e das grandes, já que é politicamente correto feminizar todos os substantivos, hoje em dia. Para o bem e para o mal. Com a pedra do anel da cor rubi, mete-se o carimbaço: ARQUIVADO.

[author] [author_image timthumb=’on’]https://www.duniverso.com.br/wp-content/uploads/2014/03/foto-antonio-oliveira.jpg[/author_image] [author_info]O professor Antônio de Oliveira, cronista fascinante, é Mestre em Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma, na Itália. Licenciado em Letras e em Estudos Sociais pela Universidade de Itaúna; em Pedagogia e em Filosofia pela Faculdade Dom Bosco de Filosofia, Ciências e Letras de São João del Rei. Estágio Pedagógico na França. Contato: antonioliveira2011@live.com[/author_info] [/author]

Imagens:
01: William Etty (1787◘1849 – domínio público)
02: Programa anti-corrupção na Etiópia em 2000 (Wikipédia)

Tomé Ferreira

Graduando em TECNOLOGIA EM MULTIMÍDIA DIGITAL pela UNISUL Iniciei minha carreira como “Desenhista” de prancheta. Arte-finalizava tudo manualmente também fazendo trabalhos esporádicos de Jornalismo Social. Fundei o Portal Duniverso em 2009 iniciando de vez minha saga pelo jornalismo o qual me apaixonei. Vida inteligente na WEB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.