Primavera, Um Estado de Espírito

Primavera, Um Estado de Espírito

Por Antônio de Oliveira

Lirismo, uma maneira apaixonada, poética, de sentir, de viver; de viver com entusiasmo, ardor. Sem medo de ser feliz. Segundo o crítico italiano Benedetto Croce, lirismo é símbolo da arte em geral, como expressão dos sentimentos. Arte, por sua vez, é a capacidade de fazer uma leitura a partir do lirismo da natureza que, mesmo calada, dá seus recados. Basta perceber que os céus proclamam a glória de Deus e o firmamento anuncia as obras de suas mãos. Sim, para quem tem olhos de ver e ouvidos de ouvir…

flor-lirio-primavera

Ter alma de artista é ter alma de salmista, alma de alpinista. É ser parteiro, extraindo o lirismo do ventre da natureza; é ser parceiro, partilhando o milagre da criação. É dar voz aos seres inanimados. É escutar e decodificar os sons da natureza. É ouvir a voz dos animais e apreciar-lhe o timbre. É ter ouvidos para o suave marulhar do riacho e para o ondular ritmado e majestoso do oceano. É saber e sentir que a nossa primavera existe.

Primavera é como que um estado de espírito. Para nós, que não temos inverno rigoroso, a primavera é perene cantar da natureza. Simbolicamente, é milagre, e milagre o ano todo. E porque estamos vivos e lúcidos, vemos e sentimos tudo isso acontecer. Fazemos parte integrante desse milagre. Milagre ao qual somos desdenhosos, pelo menosprezo, senão pelo desprezo da natureza: desmatando, poluindo, obturando os poros de solos férteis, provocando erosões. Em suma, desvirginando a natureza mediante atos de verdadeiro estupro.

retrato-de-William-Shakespeare

William Shakespeare diz coisas simples em linguagem poética, transforma ideias aparentemente banais em gestos apaixonados como os do romance de Romeu e Julieta. Ou em grandes e calorosos dramas. Até hoje Shakespeare nos deixa extasiados ante o sublime de gestos encenados em que até a megera é domada. Então, olhai os lírios do campo!… Olhai e vede ao redor. Em Belo Horizonte, transbordante de cores, ipês floridos: brancos, amarelos, roxos, rosa…
[author] [author_image timthumb=’on’]https://www.duniverso.com.br/wp-content/uploads/2014/03/foto-antonio-oliveira.jpg[/author_image] [author_info]O professor Antônio de Oliveira, cronista fascinante, é Mestre em Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma, na Itália. Licenciado em Letras e em Estudos Sociais pela Universidade de Itaúna; em Pedagogia e em Filosofia pela Faculdade Dom Bosco de Filosofia, Ciências e Letras de São João del Rei. Estágio Pedagógico na França. Contato: antonioliveira2011@live.com[/author_info] [/author]

Imagens:
sxc.hu    /    pt.wikipedia.org

Tomé Ferreira

Graduando em TECNOLOGIA EM MULTIMÍDIA DIGITAL pela UNISUL Iniciei minha carreira como “Desenhista” de prancheta. Arte-finalizava tudo manualmente também fazendo trabalhos esporádicos de Jornalismo Social. Fundei o Portal Duniverso em 2009 iniciando de vez minha saga pelo jornalismo o qual me apaixonei. Vida inteligente na WEB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.