Ida Sem Volta

Ida Sem Volta
Por Antônio de Oliveira

Segundo a mitologia grega, as Moiras moram no reino de Plutão, rei dos infernos e deus dos mortos. Donas do destino, elas têm a mesma idade da Noite, da Terra e do Céu. Três mulheres pálidas, Cloto, Láquesis e Átropos, fiam sem parar, em silêncio, o misterioso fio da Vida. Em suas mãos o fim da estrada, tanto dos deuses quanto dos seres humanos, e nada pode forçá-las a interromper o curso inexorável do fado adverso.

Cloto, que significa “fiar”, segura na mão uma roca à qual leva presos fios de todas as cores e de todas as qualidades: de seda e de ouro, para as pessoas cuja existência há de ser feliz; de lã e cânhamo, para todos aqueles que estão destinados ao desatino. Láquesis, que quer dizer “sortear”, dá volta ao fuso onde se vão enrolando os fios que sua irmã lhe apresenta, e sorteia o nome de quem vai morrer. Átropos, a inamovível, a inflexível, e a mais idosa, com um olhar atento e melancólico inspeciona o trabalho e, com uma tesoura comprida, vai cortando o fio quando bem lhe dá na telha. Assim, ninguém escapa ao destino: nem homens nem mulheres, nem ricos nem pobres, nem súditos nem monarcas, nem príncipes nem plebeus. No poema “Sê Rei de Ti Próprio”, Ricardo Reis, heterônimo de Fernando Pessoa, se refere a Átropos como aquela que está acima de qualquer poder terreno, transitório: “Que trono te querem dar / que Átropos to não tire?”.

Francisco-de-Goya-Las-Parcas-Atropos

Três também são as Moiras da mitologia romana, conhecidas como Parcas: Nona (nove luas), preside o nascimento; Décima, corte do cordão umbilical, indivíduo adulto, e Morta, a ponta da outra extremidade, o fim da vida terrena.

A vida se apresenta, pois, sempre por um triz, por um fio, e como um texto cursivo. O fio pode ser rompido a qualquer momento; o texto deve ser pontuado, ao longo do curso dos nossos dias, para quando chegar a hora. Isso faz toda a diferença. E mais: a vida é como a história, dá muitas voltas; entretanto, jamais volta ao ponto de largada. E aí!…
[author] [author_image timthumb=’on’]https://www.duniverso.com.br/wp-content/uploads/2014/03/foto-antonio-oliveira.jpg[/author_image] [author_info]O professor Antônio de Oliveira, cronista fascinante, é Mestre em Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma, na Itália. Licenciado em Letras e em Estudos Sociais pela Universidade de Itaúna; em Pedagogia e em Filosofia pela Faculdade Dom Bosco de Filosofia, Ciências e Letras de São João del Rei. Estágio Pedagógico na França. Contato: antonioliveira2011@live.com[/author_info] [/author]

Tomé Ferreira

Graduando em TECNOLOGIA EM MULTIMÍDIA DIGITAL pela UNISUL Iniciei minha carreira como “Desenhista” de prancheta. Arte-finalizava tudo manualmente também fazendo trabalhos esporádicos de Jornalismo Social. Fundei o Portal Duniverso em 2009 iniciando de vez minha saga pelo jornalismo o qual me apaixonei. Vida inteligente na WEB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.