No dia das Mães, amar é…

No dia das Mães, amar é…

Por Antônio de Oliveira

O foco no Dia das Mães é o amor. Ou melhor, amar. Amar é amor que não envelhece. Conta-se que, quando Michelangelo terminou de esculpir a Pietà, perguntaram-lhe por que representara Nossa Senhora mais jovem que seu filho. Ao que ele teria respondido: “Pessoas que amam verdadeiramente e são fiéis não envelhecem”.

Na verdade, é mais fácil definir amar do que amor, pois, na realidade, na concretude da vida, não existe amor. Para Roger Vailland, não existe amor; dão-se provas de amor. E, para Cyro dos Anjos, em Abdias: “O amor sempre me pareceu algo indefinível, nas suas infinitas gradações e na sua variedade, de indivíduo para indivíduo. Dele se poderá dizer, porventura, o que dizem os médicos em relação à doença, cuja existência, em si, negam: Há doentes, e não doenças. Haverá o ser que ama, e não o amor”.

pieta-michelangelo-dia-das-maes
Tanto que existem várias espécies de amor. Assim, mãe é um ser que ama de maneira especial, própria, específica. Começando por amar o feto com afeto. Apesar do Amar, Verbo Intransitivo de Mário de Andrade, amar é verbo transitivo, de trânsito livre entre quem ama e quem é amado. Assim é o amor materno que deve ser correspondido com amor filial. Fernando Pessoa traduz bem essa sintonia: “quem ama, ama só a igual, porque o faz igual com amá-lo”.

Dia das Mães é dia de manifestar amor, e de dar um balanço nas provas de amor. Conheço, mesmo nos dias de hoje, uma casa onde os filhos, todos casados e profissionais trabalhando fora de casa, fazem questão de tomar o lanche da tarde na casa dos pais. Boca livre e corações unidos. Espaço onde sempre cabe mais um, isto é, todos os filhos. Ou como casa de mãe, onde come um, comem dois, comem três…

É tempo de Páscoa. É mês das mães. Mães de coração radiante e irradiante. Espargindo sorrisos. E como que repartindo um bolo de aniversário, simbolicamente partido e repartido em fatias. Que dá para todos os convidados e ainda sobra. Em comemoração ao Dia das Mães.

[author] [author_image timthumb=’on’]https://www.duniverso.com.br/wp-content/uploads/2014/03/foto-antonio-oliveira.jpg[/author_image] [author_info]O professor Antônio de Oliveira, cronista fascinante, é Mestre em Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma, na Itália. Licenciado em Letras e em Estudos Sociais pela Universidade de Itaúna; em Pedagogia e em Filosofia pela Faculdade Dom Bosco de Filosofia, Ciências e Letras de São João del Rei. Estágio Pedagógico na França. Contato: antonioliveira2011@live.com[/author_info] [/author]

Tomé Ferreira

Graduando em TECNOLOGIA EM MULTIMÍDIA DIGITAL pela UNISUL Iniciei minha carreira como “Desenhista” de prancheta. Arte-finalizava tudo manualmente também fazendo trabalhos esporádicos de Jornalismo Social. Fundei o Portal Duniverso em 2009 iniciando de vez minha saga pelo jornalismo o qual me apaixonei. Vida inteligente na WEB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.