Burocracia

Burocracia

Por Antônio de Oliveira

No Brasil, a burocracia é aliada com a procrastinação. “Cras”, em latim, significa amanhã. História ou lenda, consta da biografia de Santo Expedito que ele foi tentado pelo demônio, em forma de corvo, a gritar Cras! Cras! com o objetivo de fazê-lo adiar sua conversão. Rápido (expedito quer dizer, justamente, “rápido”), teria pisado o tentador, dizendo hodie!, isto é, hoje, significando sua disposição heroica de se converter de imediato ao cristianismo. Com tantos devotos de Santo Expedito, bem que esse exemplo poderia ser seguido: imitar o santo até no nome…

Estatua-bronze-rei-SanchoI-Portugal-Silves

Em “A Ilustre Casa de Ramires”, Eça de Queirós usa a expressão: “Procrastinare lulsitanum est”, procrastinar é lusitano. Seria, pois, uma herança desde os tempos de nossa colonização? “O brasileiro adia; logo existe”, constatou Paulo Mendes Campos. Se em geral se propõe não deixar para amanhã o que se pode fazer hoje, entre nós vale o inverso: Não fazer hoje o que se pode deixar para amanhã. Ou: Se podemos complicar, para que simplificar? Dez são os Mandamentos da Lei de Deus. Por conta própria, com todo o respeito eu acrescentaria um 11.º mandamento, embora esteja falando em simplificar. Pois seria exatamente: – Não compliqueis!

males-causados-pela-burocracia

Na sua crônica Um Mundo de Papel, Rubem Braga conta que, em determinado lugar (e cita o nome da cidade brasileira), morreu um vereador. O presidente da Câmara foi um dos que seguraram as alças do caixão. Marcada a tomada de posse e convocado o suplente, foi-lhe exigida, pelo Presidente, a certidão de óbito do vereador titular. O suplente disse que não a trouxera. O presidente, então, recusou-se peremptoriamente a dar posse com base no argumento: “A prova do falecimento é a certidão de óbito”. Rubem Braga propõe, no final do texto, para quando o presidente da Câmara morresse, mandar gravar em seu túmulo (depois, naturalmente, de apresentada a certidão de óbito) esta frase de suprema consagração burocrática: “Ele amou o papel”.

[author] [author_image timthumb=’on’]https://www.duniverso.com.br/wp-content/uploads/2014/03/foto-antonio-oliveira.jpg[/author_image] [author_info]O professor Antônio de Oliveira, cronista fascinante, é Mestre em Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma, na Itália. Licenciado em Letras e em Estudos Sociais pela Universidade de Itaúna; em Pedagogia e em Filosofia pela Faculdade Dom Bosco de Filosofia, Ciências e Letras de São João del Rei. Estágio Pedagógico na França. Contato: antonioliveira2011@live.com[/author_info] [/author]

Imagens: sxc.hu e wikipedia.com.br

Tomé Ferreira

Graduando em TECNOLOGIA EM MULTIMÍDIA DIGITAL pela UNISUL Iniciei minha carreira como “Desenhista” de prancheta. Arte-finalizava tudo manualmente também fazendo trabalhos esporádicos de Jornalismo Social. Fundei o Portal Duniverso em 2009 iniciando de vez minha saga pelo jornalismo o qual me apaixonei. Vida inteligente na WEB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.