A crise chegou aqui?

A crise chegou por aqui?
Ontem assistindo ao Jornal da Globo vi a General Motors mandar ficar em casa seus mais de 07 mil empregados, até segunda ordem, e reforçou a segurança.
Uma pequena cidade Argentina o prefeito, por falta de verbas, sorteia os funcionários que receberão o salário primeiro!
Parece que a indústria no Brasil deu uma desacelerada. Claro que não é só a indústria que conta, mas pesa.
O texto abaixo traz reflexões sobre o tema e o “modus operandi” Europeu para a crise, além de ensinar como deve ser feito na terrinha abençoada.

GOVERNAR PARA OS POBRES, NÃO PARA OS BANQUEIROS
Por Mauro Santayana – (HD)

A presidente Dilma Rousseff é, segundo alguns de seus subordinados, rude e autoritária, obstinada e sem qualquer tolerância com o erro. Nisso, não parece ter a visão mineira de como deve ser o convívio nos círculos do poder. Os governantes, em nosso Estado, e fora poucas exceções, costumam elogiar seus auxiliares em público – e censurá-los pesadamente em privado.
Admitamos o estopim curto da Chefe de Estado. Mas seu discurso em Salvador, sobre a diferença entre o comportamento do governo brasileiro diante da crise econômica mundial e o comportamento dos assim chamados “países ricos”, merece ser meditado com todo o respeito. Dilma revela sua pressa no combate às desigualdades sociais em nosso país, e isso pode explicar seu temperamento. Os últimos anos trouxeram redução, muito pequena, ainda, na diferença entre os ricos e os pobres. Essa redução se deve à ação do Estado, em sua política compensatória, que se refletiu no aumento da demanda de bens de consumo necessário, e, em consequência, do aumento da atividade econômica virtuosa.

A crise mundial, neste tempo de globalização neoliberal, e do primado das finanças sobre a produção, não poupa ninguém. Teremos que fazer opções, e opções graves. Tancredo costumava dizer que o governante é obrigado a fazer escolhas difíceis, a cada minuto. Terá que escolher entre construir a ponte e escola; entre o estádio de futebol e o hospital, entre a estrada e o laboratório de pesquisas, entre contratar professores ou policiais. Hoje, os governantes estão pendentes do PIB. Mas, o que é mesmo o PIB? O objetivo do homem não é apenas o de produzir, mas o de produzir para viver bem.
Dilma afirmou que sua preocupação não é com o PIB, mas, sim, com as crianças brasileiras. É preciso mudar o índice do PIB, por alguma coisa como FIB – Felicidade Interna Bruta. A astúcia do capitalismo é a de transformar os seres humanos em alucinados pelos automóveis de luxo, pelas roupas de grife, pelo mundo colorido das chamadas celebridades.

A presidente afirmou que o Brasil, para enfrentar a crise, não vai usar os mesmos métodos dos países europeus, que entregaram seu destino aos banqueiros e, em razão disso, castigam os trabalhadores.
Os grandes bancos, conforme denunciou The Economist, se transformaram em gangues de assaltantes. Não estão sujeitos a qualquer fiscalização, e decidem o quanto devem saquear do mundo do trabalho, como, sob a liderança do Barclays, fizeram ao manipular a taxa Libor. Em todos os países europeus, os cortes orçamentários atingem o ensino, a segurança dos cidadãos, os empregos, a saúde pública.
Contra a crise, é preciso voltar ao estado de bem-estar social.

Mauro Santayana

Nascido em Minas Gerais em 1932 Mauro Santayana ocupou como jornalista, cargos destacados nos principais órgãos de imprensa como Folha de S. Paulo, Gazeta Mercantil e Jornal do Brasil, no qual mantém uma coluna sobre política.
Além de milhares de atividades foi diretor da sucursal da “Folha de São Paulo” em Minas, foi correspondente do Jornal do Brasil em Bonn, na Alemanha, cobriu a invasão da Checoslováquia pelas tropas do “Pacto de Varsóvia”, a “Guerra Civil Irlandesa” e o “Conflito do Saara Ocidental”. Foi também Diretor Presidente do “Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais”, na área Cultural, Adido Cultural do Brasil em Roma e ganhou o Prêmio Esso de reportagem de 1971. E muito mais!

Fonte:
Publicação autorizada pelo autor: maurosantayana.com
Imagem:
sxc.hu

Tomé Ferreira

Graduando em TECNOLOGIA EM MULTIMÍDIA DIGITAL pela UNISUL Iniciei minha carreira como “Desenhista” de prancheta. Arte-finalizava tudo manualmente também fazendo trabalhos esporádicos de Jornalismo Social. Fundei o Portal Duniverso em 2009 iniciando de vez minha saga pelo jornalismo o qual me apaixonei. Vida inteligente na WEB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.