A lenda Overdose, voltou

A lenda Overdose, voltou

Após quase 10 anos sem se apresentar, ontem dia 18/02/2017, milhares de sortudos tiveram o prazer de ver novamente em cena, a potente e expressiva banda Overdose de Belo Horizonte.

Realizado no espaço em torno do Estádio Magalhães Pinto (Mineirão), o show foi um dos mais concorridos dentre as dez bandas que também se apresentaram pelo Bloco dos Camisas Pretas, que homenageia Ronnie James Dio em 2017.

Com a mesma “pegada” de outrora a banda levou os fãs ao delírio logo quando deu o primeiro acorde.
Numa performance excepcional digna das grandes bandas de peso do cenário mundial, a Overdose provou que o tempo para a banda não passou, pelo menos no quesito qualidade e “pegada” musical que a maturidade ajudou a lapidar ainda mais.

Um dos pontos altos do show foi quando Bozó convidou Helio Eduardo e Fernando Pazzini para assumirem o palco, fazendo uma homenagem à primeira formação da banda.

Outro ponto foi quando a galera enlouquecida levantou um fã cadeirante e o levou até o palco, onde permaneceu até o fim do show.
O povo se incendiou!.

Overdose a todo vapor no entorno do Mineirão dia 18/02/2017

O Rock e a cena Underground belorizontinos sempre tiveram expressão nacional (até mundial) parindo muitas das melhores bandas de Heavy Metal brasileiras.

Fundada em 1983 a Overdose que teve muita influência na América Latina e fez muitos shows pela Europa e Estados Unidos,  com certeza foi uma dessas.

Para o retorno, o projeto da banda a partir de 2017 é fazer poucos shows mas estar sempre na ativa.

Ainda não tem expectativas de novos trabalhos em relação a criação, porém, nunca se sabe.

Talvez o relançamento de alguns discos antigos seja uma opção a médio prazo.

Perguntado sobre sua avaliação dos últimos álbuns produzidos (Progress of Decadence de 1993 e Scars de 1995), o guitarrista Cláudio David respondeu o seguinte:

Dois dos melhores e mais originais álbuns do OverDose. Foram eles o que realmente abriram as portas para o OverDose nos Estados Unidos e na Europa. Acho que todos os discos do OverDose tem muita personalidade e originalidade, mas os Scars e o Progress chegaram a uma maturidade musical e uma identidade sonora única, que diferenciou radicalmente a banda de todas as outras do Metal, consagrando o OverDose mundialmente.” (Texto da Entrevista realizada no site http://www.sourcewebzine.com.br em janeiro de 2017)

Abaixo Teaser excepcional sobre o evento, produzido pela Estúdio Vox BH:

Comentário de uma fã na página da banda:

Como a Banda dispensa mais apresentações, deixo uma “sonzeira” para vocês curtirem no vídeo abaixo.

Grande abraço!

Ficha técnica:

  • Gênero: Heavy Metal

Membros:

  • Pedro Amorim (Bozó) – Vocals
  • Claudio David – Lead Guitar
  • Sérgio Cichovicz – Rhythm Guitar
  • Bernardo Gosaric – Bass
  • Heitor Silva – Drums

Convidado especial:

  • Hélio Eduardo – Drums

Contatos:

 

 

Author: Tomé Ferreira

Graduando em TECNOLOGIA EM MULTIMÍDIA DIGITAL pela UNISUL Iniciei minha carreira como “Desenhista” de prancheta. Arte-finalizava tudo manualmente também fazendo trabalhos esporádicos de Jornalismo Social. Fundei o Portal Duniverso em 2009 iniciando de vez minha saga pelo jornalismo o qual me apaixonei. Vida inteligente na WEB.

Share This Post On

2 Comments

  1. Ótima matéria, porém, faltou citar a participação do Fernando Pazzini junto com o Helinho! /,,/

  2. Olá Heitor Silva!
    Obrigado pelo comentário!
    Você tem razão, vou atualizar a matéria.
    Grande abraço!

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *