Apagão no país: governo volta a culpar o mau tempo.

Apagão no país: governo volta a culpar o mau tempo

11 de novembro de 2009

O governo voltou a culpar nesta quarta-feira o mau tempo pelo apagão que atingiu as regiões Sul e Sudeste do país na noite de terça. O ministro de Minas e Energia Edison Lobão reafirmou em uma entrevista no final da tarde que descargas atmosféricas, ventos e chuvas muito fortes na região de Itaberá, no interior de São Paulo, causaram o blecaute.


Iluminação de hotéis a base de geradores. (Foto: Folha Imagem)
Energia

REVISTAS ABRIL

MAIS INFORMAÇÕES

“O povo brasileiro esteja tranquilo que o sistema que temos no Brasil é bom. Houve um acidente por conta de uma concentração muito grande de condições atmosféricas adversas no local”, afirmou o ministro. Questionado sobre a falta de investimentos no setor, o ministro negou que isso ocorra. “Se há um governo que investiu nessa área é esse. Foram investidos cerca de 22 bilhões de reais apenas em linhas de transmissão e 8 bilhões de reais em transformadores”, detalhou. Lobão afirmou que este apagão, que atingiu 40% do país, foi menor do que os anteriores. Segundo ele, em 1999, um blecaute atingiu 70% do país e, em 2002, outro afetou 60% do território nacional.

Segundo Eduardo Barata, diretor do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) foram descartadas a ocorrência de erro humano ou falhas no sistema. Ele acredita que cerca de 15 linhas de transmissão foram afetadas. Ele também afirmou que a região Sudeste foi a mais afetada, mas ressaltou que os esquemas montados “impediram a propagação dos efeitos para o restante do país.”

Sobre a divergência inicial quanto ao número exato dos estados atingidos, o ministro Lobão afirmou que “naquele momento, estávamos preocupados com a recomposição do sistema”. De acordo com o ministro, a dependência da usina de Itaipu, que abastece cerca de 20% de toda a energia elétrica consumida no Brasil, deverá diminuir com a construção de novas hidrelétricas, como a do Rio Madeira, que deve entrar em operação daqui a três anos.

Divergências – A versão de que o mau tempo teria causado o problema havia sido desmentida pelo governo durante o dia. O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, afirmou que não foi essa a causa do blecaute. O secretário-executivo do ministério, Márcio Zimmermann, disse que “condições meteorológicas adversas” provocaram a queda de transmissão em três linhas de distribuição de Furnas. No entanto, Paulo Bernardo contou que conversou com o presidente da Itaipu, Jorge Samek, que lhe informou que a interrupção de energia foi causada por problemas em duas das cinco linhas de transmissão. “Eles pensaram que tinha sido o temporal que tinha derrubado linhas de transmissão, mas não foi. Se a linha estivesse danificada, não teria voltado às cinco da manhã”, disse o ministro.

O tamanho do apagão

  • 18 estados atingidos, além do Distrito Federal
  • A transmissão de energia só foi reestabelecida após 4 horas
  • A produção de energina em Itaipu só foi normalizada 9 horas depois
  • As ligações para a Polícia cresceram 140% na primeira hora do blecaute na cidade de São Paulo
  • 5.900 semáforos ficaram apagados na capital
  • 40.000 pessoas foram afetadas por problemas no sistema de trens
  • 95.000, no sistema de metrô
  • O abastecimento de água para 6,7 milhões de pessoas foi afetado na Grande São Paulo

Fontes: Furnas, Ministério de Minas e Energia, Itaipu, Polícia Militar de São Paulo, Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), Sabesp e CPTM

http://veja.abril.com.br/

Tomé Ferreira

Graduando em TECNOLOGIA EM MULTIMÍDIA DIGITAL pela UNISUL Iniciei minha carreira como “Desenhista” de prancheta. Arte-finalizava tudo manualmente também fazendo trabalhos esporádicos de Jornalismo Social. Fundei o Portal Duniverso em 2009 iniciando de vez minha saga pelo jornalismo o qual me apaixonei. Vida inteligente na WEB.

2 comentários em “Apagão no país: governo volta a culpar o mau tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.