Penélope Cruz e Almodóvar: Abraços Partidos.

Estreia Abraços partidos, drama do diretor espanhol que gira em torno de quatro personagens.


À frente do elenco de Abraços partidos, a atual musa de Pedro Almodóvar, Penélope Cruz.

 

O cineasta espanhol Pedro Almodóvar não esperou seu aniversário de 60 anos (comemorado em setembro) para se entregar um presente especial: “Abraços Partidos”, seu novo filme, estreou na Espanha em março. Há três temporadas ele não realizava um longa (Volver, sua criação anterior, foi lançado em 2006). O filme, que pode ser visto a partir de hoje em várias cidades, tem à frente do elenco a atual musa do diretor, Penélope Cruz, que ele já dirigiu em outros quatro filmes (Volver, Tudo sobre minha mãe, Carne trêmula e um curta – que Almodóvar promete que estará no DVD de Abraços partidos, já que foi criado a partir da experiência com os intérpretes deste filme).

O drama de Abraços partidos gira em torno de quatro personagens. Mateo Blanco (Lluís Homar) vive quase isolado há 14 anos, depois que perdeu a visão e a mulher de sua vida num acidente. Assumiu quase integralmente a identidade de Harry Caine (o pseudônimo com que assina trabalhos literários, já que quase abandonou sua vida anterior e a realização de filmes), e seus únicos vínculos importantes com o mundo são Judit Garcia (Blanca Portillo), sua fiel produtora, e o filho desta, Diego (Tamar Novas, de 23 anos – Almodóvar nunca escondeu sua predileção pela beleza quase adolescente de alguns atores). Sobre eles, paira a memória de Lena (Penélope Cruz), a mulher que amava, a atriz com quem estava trabalhando, a ponta supostamente mais frágil de um trágico triângulo amoroso.

Assista o trailer abaixo:

Segundo Almodóvar, em Abraços partidos tudo é duplo – do filme dentro do filme às personas e identidades das personagens, e suas histórias, e os dramas em que mergulham, voluntariamente ou sem querer. E, claro, as citações, a si mesmo e a outros – o diretor, em momentos de seu filme, remete a outros momentos, e a outros, e a outros filmes, numa rede em que a única coisa que importa é o mergulho na ideia que o espectador faz da paixão.

DUPLICAÇÃO O “dobro” é um dos marcos de Abraços partidos. Não como um termo moral (“ambiguidade”, “duplicidade”), mas como “duplicação, “repetição” ou “ampliação”. O filme tem início com a imagem dos dois dublês dos protagonistas. Ernesto Martel Filho duplica o comportamento do pai, apesar de ser o último modelo que ele gostaria de imitar. Quando seu pai morre, Martel Filho planeja se vingar da memória dele com um filme que fale da forma como o pai o anulou e o destruiu enquanto viveu. Apesar de ser homossexual, Martel Filho casou-se duas vezes, como o pai. E tem dois filhos que o odeiam tanto quanto ele odeia o progenitor.

O protagonista masculino tem dois nomes. Quando o Mateo cego começa a se chamar de Harry Caine, faz isso para fugir de si mesmo. A realidade dele é insuportável. Ele só consegue sobreviver “se suplantando” ou “se duplicando”. “Diversos personagens trabalham com cinema. Sempre disse que, para mim, o cinema é a representação da realidade e, às vezes, seu mais fiel reflexo, sua ‘duplicação’”, explica o diretor. Penélope Cruz interpreta duas pessoas. Magdalena, uma mulher bonita e pobre demais para resistir à generosidade envenenada do magnata Ernesto Martel. E Pina, sua contrafigura, a protagonista de Garotas e malas, filme dentro do filme.

Seção : Cinema – 04/12/2009 07:00

Fonte: http://www.new.divirta-se.uai.com.br/

Author: Tomé Ferreira

Graduando em TECNOLOGIA EM MULTIMÍDIA DIGITAL pela UNISUL Iniciei minha carreira como “Desenhista” de prancheta. Arte-finalizava tudo manualmente também fazendo trabalhos esporádicos de Jornalismo Social. Fundei o Portal Duniverso em 2009 iniciando de vez minha saga pelo jornalismo o qual me apaixonei. Vida inteligente na WEB.

Share This Post On

4 Comments

  1. Realmente é um filme fascinante. Almodóvar estava muito inspirado.
    Parabéns pelo site Tomé Ferreira!

  2. Penélope Cruz é uma bela mulher além de ser uma das mais sexy do mundo.
    Gostei do artigo!
    Abraços!

  3. Esqueci de dizer que o post é muito bom!
    Obrigado por compartilhar!
    Parabéns!
    Giselle Albuquerque

  4. Linda!
    Simplesmente linda e talentosa!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Bicho de Sete Cabeças! | Duniverso - [...] em 2001, do gênero drama, é dirigido por Laís Bodanzky (que acaba de lançar “Chega de Saudade”), o filme…
  2. Suporte técnico em Informática (não ria, se puder)… | Duniverso - [...] de um tempo falando com o atendente do suporte. SUPORTE: ‘O que tem do lado direito da tela?’…
  3. Gravidez na adolescência é sinônimo de Juno. | Duniverso - [...] Lançado em dezembro de 2007 “Juno” é o que eu chamaria de uma meia-comédia sensacional. Aborda o tema tão…
  4. brasil história imagens bela fotografia pais lindo | Duniverso - [...] vão expandindo para oeste as terras da Colônia, conquistando espaços que estavam na parte espanhola do Tratado de Tordesilhas…
  5. flagrantes fotográficos flagras incríveis inusitados humor | Duniverso - [...] Salão de beleza. [...]
  6. Melhor filme de Cannes 2011 montador Daniel Rezende | Duniverso - [...] editor no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro em 2003, ganhou o prêmio de melhor edição no Festival de Havana…
  7. Reeleição de Obama depende de povo Latino | Duniverso. Vida inteligente na WEB. - [...] membros da comunidade hispânica, o presidente Barack Obama jantará em Los Angeles na casa dos atores Antonio Banderas e…
  8. fotomontagens Efeitos visuais photoshop profissional | Duniverso. Vida inteligente na WEB. - [...] Nesta era também existe o Photoshop (rsrs). Com ele tudo é possível. Velha fica nova, feia fica bonita, anão…
  9. Feira Hospitalar Minas Gerais produtos para hospitais | Duniverso - Desenvolvimento Sustentável - [...] participado da realização deste evento, mesmo tendo trabalhado muito, rsrs. Foram aprendizado e experiência [...]

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *