Como comprar sua casa pela metade do preço?
ago18

Como comprar sua casa pela metade do preço?

 Como comprar sua casa pela metade do preço? Há várias formas de pagar mais barato na sua casa própria, descubra como e realize o seu sonho Crise econômica, desemprego e dívidas são algumas das motivações para que você ainda esteja vivendo em uma casa que não é sua. Para conseguir o seu próprio imóvel, é preciso pensar em formas de baratear a compra. Realizar o sonho da casa própria parece ter se tornado uma realidade cada vez mais difícil. Mesmo com os preços dos imóveis em queda e com o mercado fazendo de tudo para vender, muita gente não tem condições de adquirir nada. Tanto é que a geração Y (os jovens de 30 anos) não tem como prioridade comprar uma casa ou um apartamento hoje em dia, ao contrário de seus pais! Entretanto, o mercado está dando sinais de que vai se aquecer mais uma vez e tornar a compra do seu imóvel mais favorável. Mudanças nas regras de financiamento, o aumento no número de unidades comercializadas e a procura nas imobiliárias de todo o país indicam que, em breve, você poderá ser o dono do seu próprio lar. Enquanto isso não acontece, ou até mesmo quando acontecer, é melhor pesquisar formas de economizar na compra da casa própria. Confira quais são as boas práticas para poupar durante a sua busca e aproveite o dinheiro extra: Busque em regiões mais baratas O preço dos imóveis tem se desvalorizado e isso quer dizer que o que já era barato está ainda mais em conta. Por isso, consultar o valor do metro quadrado é essencial e, se você der sorte, adquirir um imóvel no bairro em que você sempre sonhou pode sair mais barato do que se mudar para a cidade vizinha. No entanto, ainda vale a máxima: regiões centrais, próximas ao comércio e áreas de lazer, com acesso a todo tipo de transporte público e bairros tradicionais costumam ter o metro quadrado mais caro. Em São Paulo, por exemplo, a Vila Nova Conceição, ao lado do Parque Ibirapuera, é o lugar mais caro para se viver na capital: o metro quadrado custa R$ 16.124, uma diferença de mais de R$ 10 mil reais quando comparado à região de Itaquera, a região mais barata em junho de 2017. Adquira o imóvel na planta               Considerando um imóvel novo, a compra na planta pode ser bem mais econômica. Na maioria das vezes, o preço do imóvel que ainda está na planta é mais barato que o do imóvel pronto e, ao comprá-lo dessa forma você ganha tempo para planejar o pagamento das prestações. Se você for um bom negociador e souber calcular a...

Read More
Imóveis em condomínios fechados são boa alternativa para quem procura segurança e tranquilidade
ago15

Imóveis em condomínios fechados são boa alternativa para quem procura segurança e tranquilidade

 Imóveis em condomínios fechados são boa alternativa para quem procura segurança e tranquilidade O modelo que foi  introduzido no Brasil nos anos 70, volta como opção viável de moradia Cada vez mais as pessoas buscam se refugiar em ilhas de segurança, onde a concentração de pessoas da mesma classe social e ideais podem ficar juntas, alimentando o individualismo e a cultura da privacidade. Para tanto, ficou extremamente comum a busca por moradias em condomínios fechados ou gated communities, mas não se sabe ao certo a origem desse tipo de privatização de moradia. A primeira tese vem do livro Cidade Jardim (1898), de Ebenezer Howard, onde o autor tenta dar uma solução a problemas urbanos e rurais, e propõe que sejam criados espaços distintos desses dois cenários, e um só que uniria as qualidades de ambos para criar uma “town-country” . O modelo se assemelha muito aos projetos de condomínios. Já a segunda tese defende que a forma dos  condomínios fechados que conhecemos hoje radica nas cidades fortificadas europeias pré-modernas. Bom, o Brasil essa modalidade de construção foi introduzida no Brasil no início dos anos 70.  São Paulo foi a primeira cidade onde os condomínios viraram tendência. Eram locais com muito verde, muros altos, espaços de lazer e  caminhada, áreas de convívio e segurança reforçada. Esse mercado bombava devido aos financiamentos estatais. Em 1973, a capital paulista recebeu o primeiro condomínio vertical fechado. Esses primeiros modelos foram direcionados aos mais abastados e contavam com conjuntos murados, áreas comuns equipadas com instalações esportivas e de lazer para uso exclusivo dos moradores. Tendência Seguindo essa tendência, outras cidades com déficit habitacional receberam empreendimentos semelhantes. Sejam horizontais ou verticais, as opções residências nessa modalidade são um atrativo pela segurança. Basta escolher qual o padrão e localização entre as  muitas opções de condomínios. Por Jacqueline Gonçalo Jornalista pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) Press Office...

Read More
Quando terminam as obras em Belo Horizonte?
jun01

Quando terminam as obras em Belo Horizonte?

 Quando terminam as obras em Belo Horizonte? Passeando pelo blog do amigo José Walker, deparei com um intrigante artigo sobre as questões das obras (algumas intermináveis) de Belo Horizonte. José chama atenção para um ponto muito interessante, no mínimo, passível de suspeição, que diz respeito ao prazo de execução das mesmas. Nestas épocas sobre “ondas” de Aécios, Dilmas, Temers e Lulas das Silvas, nada mais apropriado do que checar e vigiar constantemente nosso dinheiro (não só o público), para onde está indo e como está sendo gasto! Haja “cueca” para tanta bandalheira!   Estão pensando que somos tolos? Por José Walker,  06/01/2017 Porque será que em Belo Horizonte existem tantas obras paralisadas ou devagar quase parando com placas indicando apenas o prazo de execução? Estão pensando que somos tolos? É muito cômodo! Colocam o prazo de execução, normalmente em dias, só para dificultar a nossa “fiscalização”. Afinal, quem vai se lembrar que 720 dias, por exemplo, correspondem a dois anos? E como se não bastasse, omitem também a data de início. Assim fica difícil saber quando as obras vão ser concluídas, não é mesmo? Atrasos e paralisações acontecem. Mas não pensem que somos tolos, não tentem nos enganar, omitindo ou prestando informações incompletas. Um bom exemplo é a reforma da Escola Estadual Barão do Rio Branco na avenida Getúlio Vargas, na Savassi, que vem se arrastando há um bom tempo. Tudo bem que é uma obra de restauração e requer maiores cuidados, mas quem nos garante que já não deveria estar concluída? Vejam em detalhe a placa principal e tirem suas conclusões. Observem o prazo de execução: 900 dias. Porque não colocaram 2 anos e 6 meses ao invés de 900 dias? E a data de início, onde é que está? Ahhh… tenham paciência! E olha que a reforma da Barão do Rio Branco é apenas uma entre várias outras obras na mesma situação. Quem não fica incomodado com a interminável reforma do prédio conhecido como Rainha da Sucata na Praça da Liberdade, para onde será transferido (quando?) o Centro de Apoio Turístico Tancredo Neves? Ou com a reforma do antigo prédio do IPSEMG, também na Praça da Liberdade, onde funcionará (quando?) a Escola de Design da UEMG? Observem a quantidade de placas. Agora, obra mesmo que é bom… E a construção do Espaço Multiuso no Parque Municipal, onde funcionava o antigo colégio IMACO (imagem de abertura deste artigo), que está paralisada e sem qualquer perspectiva de retomada? Queremos transparência! Ao iniciarem uma obra, coloquem placas com todas as informações necessárias e se houver algum contratempo, algum imprevisto, justifiquem a paralisação ou o atraso e retifiquem as informações. Quanto maior a paralização ou o atraso, maior...

Read More
Como a arquitetura e o design influenciam o bem-estar das pessoas
abr07

Como a arquitetura e o design influenciam o bem-estar das pessoas

 Como a arquitetura e o design influenciam o bem-estar das pessoas A arquitetura, muito além de mera necessidade, está relacionada à arte. Forma e estética se aliam à sua funcionalidade para promoção do bem-estar nas casas e nas cidades. É por meio da arquitetura que o ser humano expressa sua ideia de convivência, aconchego e tantos outros detalhes subjetivos que passam despercebidos no dia a dia. A arquitetura influencia diretamente o cotidiano e os espaços, por isso, os profissionais da área precisam de um conhecimento multidisciplinar para trabalhar de forma integrada todas essas questões. Muitos projetos no estilo Do It Yourself (faça você mesmo) podem ter resultados surpreendentes, especialmente em relação ao design. Mas o auxílio de empresas e profissionais especializados é determinante para dar vida plena a algumas ideias. Alguns sites, como o www.galeriadaarquitetura.com.br, por exemplo, também contam com alternativas interessantes. 1) Interação social Quem já passou em frente ao Museu de Artes de São Paulo (MASP), no centro da avenida Paulista, pode notar um detalhe: o espaço conhecido como “vão do Masp” está sempre cheio, com pessoas conversando, namorando e aproveitando o tempo por ali. Isso não acontece por acaso. O projeto da arquiteta Lina Bo Bardi, responsável também pelo conhecido prédio do Sesc Pompéia, preza por essas brechas que estimulem a interação entre as pessoas. A partir de estudos e do talento de um profissional, esse efeito surpreendente pode mudar a dinâmica de uma cidade. Em uma residência, não costuma ser diferente. Imagine uma sala de estar mal planejada, onde as pessoas não fiquem à vontade para se sentar e conversar? Isso pode acabar não só com um projeto, mas com a interação de toda a família. É esse olhar cuidadoso que o profissional de arquitetura e design de interiores leva para o ambiente. 2) Bem-estar físico e mental Estudiosos da gestalt (termo que significa “forma” em alemão) já diziam que a percepção humana está fundada em estruturas. É como se enxergássemos por meio de padrões pré-concebidos que influenciam toda a nossa experiência. Saber trabalhar com formas e cores, então, gera um resultado que faz toda a diferença em termos físicos e de saúde mental. Os deslocamentos sutis entre ambientes, os detalhes que os diferenciam e o aspecto geral de cada um deles condiciona a sensação de aconchego que todo o lar deve ter; ou a dinâmica exigida em um ambiente de trabalho, por exemplo. 3) Indução de sensações e sentimentos Tomando como exemplo a ideia das cores, fica mais simples perceber como arquitetura e design influenciam diretamente o cotidiano. Um quarto com paredes vermelhas, certamente, irá resultar em muitas noites de insônia. A cor vibrante...

Read More
Valor dos imóveis sofre queda de 8% em um ano
ago22

Valor dos imóveis sofre queda de 8% em um ano

 Valor dos imóveis sofre queda de 8% em um ano O preço do mercado imobiliário apresentou uma queda real de 8,01% em um ano, de acordo com o Índice FipeZap, que acompanha os valores de apartamentos à venda em 20 cidades brasileiras. Este pode ser o momento mais indicado para quem quer investir em um novo lar. Esta variação ficou abaixo da inflação, que deve fechar em torno de 8,62% para o período, de acordo com dados do Banco Central. Ainda segundo a pesquisa, de 2015 até julho de 2016, o preço médio do metro quadrado caiu 0,09% e o valor dos imóveis variou 0,09%, entre os meses de janeiro e julho, e 0,06%, entre junho e julho. A estabilidade no preço se deve à queda do número de pessoas interessadas em comprar imóveis durante o ano, possível consequência da alta na taxa de desemprego e restrições de financiamento. Com isso, os proprietários interessados em vender seus imóveis foram pressionados a oferecer preços mais baixos para atrair os compradores. A negociação pode ser feita de maneira mais livre entre o proprietário e o interessado em adquirir o imóvel, tornando o momento propício para quem pensa em realizar este investimento. Uma das grandes inimigas do consumidor é a pressa, por isso ele deve aproveitar a queda dos preços para realizar uma pesquisa mais aprofundada e evitar uma tomada de decisões precipitada. Dessa maneira, principalmente para quem tem uma boa quantia guardada, o poder de barganha fica ainda maior, assim como a garantia de preços ainda mais baixos em relação ao mercado. Vale ressaltar que os preços não devem cair mais. Isso significa que é importante que os interessados em adquirir um novo imóvel aproveitem esse momento e o mercado imobiliário fragilizado. É possível que ele se aqueça e levemente volte a oferecer valores maiores do que os atuais, encerrando a possibilidade de negociação, barganha e preços camaradas. Cidades brasileiras Dentre os 20 municípios monitorados pelo Índice, apenas quatro tiveram variação negativa: Rio de Janeiro (-3,60%), Niterói (-2,39%), Recife (-1,71%) e Brasília (-1,02%). Se, por um lado, a primeira desse grupo é a cidade mais cara para se morar em todo o território nacional, por outro, é a que apresentou a maior queda no preço médio do metro quadrado. Apesar de ter registrado uma variação positiva, Goiânia (0,13%), São Paulo (0,43%), Belo Horizonte (0,86%), Salvador (1,10%), Santos (1,19%), São Bernardo do Campo (1,33%) e Porto Alegre (1,82%) estão entre as cidades com os menores reajustes nos valores dos imóveis. Dessa forma, ainda se mostram em vantagem, se comparadas com as demais. Enquanto isso, a capital do Espirito Santo, Vitória, é a...

Read More
Reforma de casas antigas: saiba como acertar nas escolhas
jun29

Reforma de casas antigas: saiba como acertar nas escolhas

 Reforma de casas antigas: saiba como acertar nas escolhas Quem já tocou uma reforma, seja ela grande ou pequena, sabe que é preciso tomar uma série de cuidados para que o projeto saia nos conformes e fique da maneira desejada. Quando o imóvel é antigo, a atenção deve ser redobrada, isso porque qualquer tipo de falha pode acabar comprometendo a estrutura, colocando a segurança dos moradores em risco. Se a sua casa é antiga e você está querendo dar aquela reformada, selecionamos abaixo algumas dicas muito bacanas que deixarão o seu lar novinho em folha. Confira! Antes de iniciar a execução do projeto, verifique o orçamento disponível para que os gastos não excedam o limite. A programação é uma ótima forma de se planejar e até economizar. Contrate profissionais capacitados que realizarão o trabalho da maneira desejada. Não hesite em escutar as orientações dadas por cada um deles. Aproveite a reforma para colocar em prática atitudes sustentáveis como, por exemplo, reaproveitar torneiras, azulejos e janelas. Faça reajustes nas partes hidráulica e elétrica. Avalie quais elementos podem ser mantidos (escada, lareira, entre outros). Se a ideia é deixar a casa com uma cara mais moderna, considere trocar os pisos dos ambientes por modelos mais novos (veja algumas opções aqui) e utilizar materiais de construção que estão em alta, como o vidro e a madeira. Os móveis estão antigos e você não quer se desfazer deles? Restaure! Dá para trocar o estofado, pintar, laquear, etc. Por se tratar de uma casa antiga, cuidado com os cupins! Se necessário, faça uma dedetização. Procure acompanhar a reforma de perto. Caso surja algum problema, você estará por lá. Tanto na fachada como nos cômodos, invista em uma nova pintura! Ela já faz uma grande diferença. Se o teto for de madeira e você tiver vontade de trocar o mesmo, verifique com um profissional se a casa suporta uma estrutura de laje ou PVC. Grande abraço! Press Office...

Read More