Amor Pode Não Ser Amar

Amor Pode Não Ser Amar

Por Antônio de Oliveira

Gramaticalmente, amor é um substantivo abstrato, como o é justiça, paz, verdade, democracia. Substantivo abstrato designa uma ação, qualidade ou estado considerados separados dos seres ou objetos a que correspondem. Assim, nenhum desses substantivos abstratos existe na realidade, concretamente. O que existe são manifestações de justiça, paz, verdade, democracia. Palavras plenas e vazias, ao mesmo tempo. Nada mais que palavras. É fácil usar termos abstratos, desvinculados da realidade. Palavras como justiça e democracia são usadas a esmo, a torto e a direito, pela direita e pela esquerda. Falar a esmo, superficialmente, é do feitio de muita gente, sobretudo de políticos.

simbolo-do-amor-de-deus

Quanto a amar, está no modo infinitivo, valendo assim, de um modo geral, para todo mundo. E mais: o infinitivo dá nome ao verbo. É o nome do verbo. E se o substantivo designa o ser, o verbo designa ser, agir, fazer, produzir. O verbo é, por natureza, mais dinâmico que o substantivo. “Dia após dia / Começo a encontrar / Mais de mil maneiras / De amar”, canta Baby Consuelo.

O amor é o mais valioso tesouro de todos os bens, mas conservado dentro de um vaso frágil, usando uma expressão de S. Paulo. Esse vaso, pois, nem sempre resiste a mudanças de lugar, de tempo e de circunstâncias. Quanto mais consistente o material de que é feito o vaso, mais difícil de quebrar. Na prática, existem infinitas possibilidades de manifestar amor.

Filippino-Lippi-triunfo-de-sao-tomas-de-aquino-sobre-os-hereges

E Deus, não é Amor? Diferente. Em Deus a essência se identifica com a existência, conforme doutrina de Tomás de Aquino. Essa uma das características divinas. Portanto, n’Ele, amor (essência) se identifica com amar (existência). Por isso é que é Deus, ser necessário. Nós outros, contingentes, somos esse paradoxo ambulante: pregar uma coisa, defender certas ideias, mas viver mesmo… Aqui está a questão: faça o que eu digo (amor), não o que eu faço (desamor). Pregar o amor e viver o desamor. Político então!…

O professor Antônio de Oliveira, cronista fascinante, é Mestre em Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma, na Itália. Licenciado em Letras e em Estudos Sociais pela Universidade de Itaúna; em Pedagogia e em Filosofia pela Faculdade Dom Bosco de Filosofia, Ciências e Letras de São João del Rei. Estágio Pedagógico na França. Contato: antonioliveira2011@live.com

Imagens: Wikimedia Commons e sxc.hu

Author: Tomé Ferreira

Graduando em TECNOLOGIA EM MULTIMÍDIA DIGITAL pela UNISUL Iniciei minha carreira como “Desenhista” de prancheta. Arte-finalizava tudo manualmente também fazendo trabalhos esporádicos de Jornalismo Social. Fundei o Portal Duniverso em 2009 iniciando de vez minha saga pelo jornalismo o qual me apaixonei. Vida inteligente na WEB.

Share This Post On

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *